Bem-vindos à CASA DE AMIGOS!

Dou as boa-vindas a todos e faço votos de boas leituras!

A princípio esse era um blog para que eu divulgasse meus poemas e textos. Hoje não sei mais... Talvez, junto comigo, ele tenha se transformado e essa "Casa de Amigos" venha a se tornar não só lar dos meus delírios como também de meus desabafos...

Acompanhem também os textos no Arquivo do Blog (disponível no lado esquerdo da página)...

Comentários são sempre bem-vindos!

Páginas

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Saudade e anseio

Imagem de autoria desconhecida.


Dedicado ao meu Yukyo.

Recordo bem
daquele brilho doce
de profundo inebriar...
Brilho tão singelo e belo
que encontrei em teu olhar...

O doce mel do tempo
em meu peito espera,
anseia o tempo próximo
de no fundo dos teus olhos
mais uma vez me encontrar.

Brilho do tempo
e aconchego em teu sorriso doce
um amor que o tempo embala
como se teu eu sempre fosse.

Meu coração fez morada
em teus olhos encontrei meu mundo
teu corpo me fez caminho
e teu coração me é abrigo.

Dos sonhos mais vívidos
desse profundo desejo
escolho o amor em teus olhos,
sorrisos e beijos.
E apenas anseio:
esse abrigo em teu peito.

D'Artagnan Abdias.

Encantador de Serpentes

Link


Dedicado ao meu Yukyo.

Luz grande e insana sua
toca minh'alma e a desnuda.
Doce sabor dos beijos teus
embolam sorrisos em lábios meus
Mel novo,
no afago de teus carinhos,
simplesmente me envolvo.

Gostosa é essa paixão
que embala meus sonhos
Caloroso abraço longo...
Carícias cujas sensações
aliviam a alma das mais tenras tensões.

Me encantei, me apaixonei
como dócil serpente embalada
na música suava dessa flauta,
que você, meu doce encantador,
toca em minha alma.

D'Artagnan Abdias.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Vida Moderna

(link)

Tic
Tac
Toc
É um tempo rápido
coração acelerado.
Tic
tintila o relógio chato.
Tac
aperta o coração desesperado.
Toc
a mente quebra em zilhões de pedaços...
É o ritmo insano,
é a modernidade da vida
que faz meu desespero
detestar esse moderno relógio rasteiro.
E a vida?!
Não sei...
Só sei desse
tic
tac
toc.

D'Artagnan Abdias.

segunda-feira, 11 de abril de 2016

O menino dos olhos de ouro

Olhos do dedicado...

Dedicado a Jonathan Gonzaga.

Eu vi um menino...
Não sei bem, já era noite.
Mas eu vi um menino.
Ele confiava na vida
E a vida parecia confiar nele...

Esse menino tinha um sorriso.
Um sorriso que continha um mundo...
Eu vi um menino...
Mas ele não era desse mundo.

Ele tinha um olhar diferente,
Os olhos de mel brilhavam fortemente.
Olhos de ouro, olhos de ouro!
Olhos que sorriam, olhos que embebeciam.

Eu me lembro daquele sorriso,
Do tamanho de um mundo.
Eu sonho com os olhos
Que, de ouro, prometiam tudo!

Eu vi um menino...
De sorriso largo e olhos de ouro.
Eu vi o menino

Que me roubou de mim!

D'Artagnan Abdias.

sexta-feira, 13 de junho de 2014

Olhos de amor...

(link)

Dedicado a Jonathan Gonzaga.

Um olhar doce se apossa
Apossa-se de mim em momentos curtos.
São olhos de esperança
em carinho, cortesia.

Faço a corte sempre ao deparar-me com olhos doces
de entrega tão sublime e forte
ponho-me pensante ao deleitar-me
e disponho-me a realizar-te.

Momentos singelos nossos
reparei-te olhar mais nobre
de quem expressa a alma
em melodia e sonhos.

Encantei-me, então, por teu olhar
que na certa me falam de um velho amar.
Senti-me seguro na sinceridade de teus olhos,
pois falam de ti
sincero, quase entregue, a me tocar
no brilho que me davam a cada beijo
longo e intenso a nos guiar.

Então percebi.
Seus olhos falam de sonhos teus.
Seus olhos...
São olhos de amor.

D'Artagnan Abdias.

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Noite de entrega...

(Link)
Dedicado a uma pessoa  que me fez reviver e me sentir em paz.

Em noite que coração se entrega
Vi na alma o reluzir dos olhos teus.
Nos carinhos prolongados e sinceros
Entreguei afetos meus.

Foi uma noite como um sonho
Foi magia pura
Não sei definir...
Recordo-me então, a toda hora, de teu sorrir.

O que desejei há tempos agora posso revelar:
Teu complemento sincero
Sempre e contente a me abraçar.

Ah! Sentimento meu,
Sabor que não ouso compor...
Há verdades minhas
Ao teu lado, quem sabe, arriscar o amor.

Quero provar-te o tempo
Dedicar-te carícias...
Quero derrubar a distância
Vivenciar-te em memórias vivas.

Prometo destituir-te dos medos
Realizar-te sem anseios
Entregar-te vida e só pode ser querida.

Desejo fazer o tempo correr
E te ver de novo aqui...
Em meus braços sorrindo,
Se entregando e me recebendo entregue a ti.


D'Artagnan Abdias.

quinta-feira, 30 de maio de 2013

Desabafo

Link

Um olhar atento,
talvez, cheio de lamentos...
Foi assim que me virei.

Me recolhi na solidão de um sofrimento,
caminho que não sei mais se fiz assim.
O que sei de fato, veio com o tempo,
a descoberta dessa pouca sorte,
- que talvez o mundo, talvez eu -
tenho em mim...

Corri em desespero sem os pés o chão sequer tocar,
gritei de angústia sem um som sibilar.
Busquei, busquei no vazio uma resposta,
um abraço verdadeiro a me confortar.
Mas a tristeza não deixou.
Me recolhi, no vazio dos sorrisos que nada dizem
que o tempo fez e não levou.

Minha força pode ter inspirado muitos,
mas já não mais me sustenta em pé.
De amor estou morrendo,
e assim vai sendo: eu sem saber acreditar no seu "até".

Desesperado, quero apenas esperança.
Quero a parcela de felicidade que direito tenho.
Quero a porção de amor que sei que a mim está endereçada.

Quero reacreditar no mundo,
recompor sonhos,
sorrir dizendo "sou feliz".
Quero a chance de viver pleno,
curar as dores que há em mim.

Mas agora peço paciência...
Vou, do meu jeito,
me fechar no meu silêncio,
no meu barulho...
Vou, mesmo que em companhia de todos, de muitos, de poucos,
me recolher em mim mesmo por um tempo.

Lamento, e lamento desesperado...
Pois quero de novo sorrir
com lábios, olhos e alma
e assim, dizer para mim mesmo:
"eu posso, agora, ser feliz".


D'Artagnan Abdias.